top of page
  • Foto do escritorLeonan Carvalho

Pai paga pensão em guarda compartilhada?


pensão em guarda compartilhada

A pergunta que frequentemente surge é: "Pai paga pensão em guarda compartilhada?" A resposta é um claro sim. A pensão alimentícia não é excluída pela existência da guarda compartilhada; pelo contrário, ela continua sendo um aspecto fundamental para garantir o bem-estar dos filhos. Neste contexto, é crucial compreender que a pensão alimentícia é regida pelo trinômio da possibilidade, necessidade e proporcionalidade.


A principal premissa que guia a pensão alimentícia é assegurar que o filho possua condições de vida equivalentes àquelas que teria se vivesse o tempo todo com ambos os pais. Mesmo na guarda compartilhada, o pai que detém melhores condições financeiras deve contribuir para o sustento do filho. Essa obrigação não se limita à questão da guarda, mas sim à capacidade do genitor em prover financeiramente.


A complexidade da questão reside na análise cuidadosa desses três elementos. Surge aqui a importância de buscar a orientação de um advogado especializado em direito de família. Um profissional com expertise nesse campo pode avaliar minuciosamente a situação financeira de cada genitor, considerar as necessidades do filho e aplicar o princípio da proporcionalidade de forma justa. Entre em contato e tire suas dúvidas no seu caso.


Em situações de guarda compartilhada, a definição de qual genitor arcará com os alimentos não segue um padrão fixo. O princípio da proporcionalidade entra em jogo, determinando que a responsabilidade recaia sobre aquele que possui melhores condições. Um advogado habilidoso é fundamental para guiar os pais por esse processo, assegurando que os direitos do filho sejam protegidos e que a obrigação alimentar seja determinada de maneira justa e equitativa.


Portanto, fica evidente que a pensão alimentícia e a guarda compartilhada não são conceitos mutuamente exclusivos. Ambos são intrinsecamente relacionados e devem ser tratados com a devida atenção. Em busca de um equilíbrio que atenda às necessidades do filho, a presença de um advogado especializado é imprescindível. Com seu conhecimento jurídico e experiência, esse profissional pode garantir que os interesses da criança sejam protegidos, proporcionando um desfecho justo e adequado para todas as partes envolvidas.

97 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


TIRE SUA DÚVIDA GRATUITAMENTE

Retorno imediato

Obrigado!

bottom of page